Principais dúvidas sobre o tratamento

Durante o tratamento de varizes, os pacientes têm diversas dúvidas sobre o que poderão ou não fazer após cada sessão. Para dirimi-las, a Dra. Simone Zamperlini esclarece as mais recorrentes.

Preciso parar com a atividade física durante o tratamento de varizes?

O tratamento sendo escleroterapia (“aplicação”) para os pequenos vasos, é sugerida apenas a suspensão no dia do procedimento. No dia seguinte, todas as atividades esportivas estão liberadas, como corrida ou musculação. Quanto ao pós cirúrgico, dependendo da extensão da cirurgia e da retirada ou não da safena, é necessário a suspensão de atividades por 7 a 30 dias.

Como evitar trombose venosa em viagens aéreas?

Se o passageiro não tem varizes importantes e nunca teve trombose, deverá apenas caminhar pelo avião algumas vezes durante o vôo, ingerir muito líquido e fazer exercício de extensão e flexão do pé para “bombear o sangue da panturrilha”. Se possuir varizes nos membros, é aconselhável o uso de meias elásticas. Caso já tenha tido algum episódio de trombose ou flebite, precisará associar o uso de anticoagulantes (injeções) durante o vôo de ida e de volta. Neste caso é necessário se informar com um cirurgião vascular ou angiologista.

Posso frequentar piscinas ou praia durante o tratamento de varizes?

Neste período o que deve ser evitado é a exposição solar direta nos membros inferiores. Também varia de acordo com cada procedimento e características individuais do paciente. Recomenda- se aguardar até as manchinhas roxas desaparecerem. Se o tratamento adotado for escleroterapia com glicose o paciente é liberado em torno de 7 a 14 dias, laser em até 30 dias e cirurgia convencional em até 3 meses.

O que são varizes?

As varizes são veias superficiais anormais, dilatadas, cilíndricas ou saculares, tortuosas e alongadas, caracterizando uma alteração funcional da circulação venosa do organismo, com maior incidência no sexo feminino.
As principais queixas clínicas dos pacientes são: dor tipo “queimação” ou “cansaço”, sensação das pernas estarem pesadas ou ardendo, edema (inchaço) das pernas, principalmente ao redor do tornozelo, que, frequentemente, melhoram com a elevação dos membros inferiores e agravam-se no fim do dia, quando se permanece por longo tempo em pé ou sentado, no calor, nos períodos próximo ou durante a menstruação e também durante a gravidez.

Dicas úteis para evitar varizes

• Evitar ganhos exacerbados de peso. EMAGREÇA!!!
• Dieta rica em fibras para evitar a constipação intestinal.
• Procurar não permanecer muito tempo parado em pé ou sentado.
• Não usar cintas abdominais apertadas.
• Realizar caminhadas e/ou exercícios físicos com supervisão médica.
• NÃO FUMAR!!!
• Utilizar sistematicamente meias elásticas, principalmente durante a gravidez.
• Evitar hormônios anticoncepcionais.
• Consulte regularmente seu angiologista/cirurgião vascular!

Como é o tratamento de varizes?

O tratamento específico das varizes depende, fundamentalmente, da veia a ser tratada. Aqueles cordões varicosos, salientes e visíveis, que elevam a pele, e aquelas pequenas veias de trajeto tortuoso ou retilíneo são de tratamento cirúrgico; já as telangiectasias ou aranhas vasculares devem ser tratadas pela escleroterapia (injeção de uma solução esclerosante dentro destes vasos).
As veias que são retiradas, por estarem doentes, não colaboram para a circulação; ao contrário, sua retirada causa melhoria na drenagem venosa dos membros inferiores, aliviando sintomas e prevenindo as implicações da evolução da doença.
Naqueles pacientes que não querem ou não podem fazer nenhum dos tipos de tratamento citados, pode ser empregado o tratamento clínico com medicamentos, elevação dos membros inferiores e, fundamentalmente, o uso de meia elástica.

Aneurisma periférico

É a dilatação anormal da parede de artérias periféricas, como a femoral, a da virilha, a carótida, a do pescoço e a dos braços. É mais difícil de romper, mas pode gerar um coágulo e impedir a passagem de sangue, comprimir um nervo ou uma veia próxima, causando dor, formigamento e inchaço.
Prevenção: assim como o aneurisma de aorta, não há prevenção. É preciso realizar exames de diagnóstico. Costuma ser descoberto em exames de checkup ou na investigação de outras doenças. Por isso é importante um exame clínico detalhado.

O que é trauma vascular?

O trauma vascular é a destruição dos vasos sangüíneos que nutrem importantes áreas do organismo. Esta perda de integridade interrompe abruptamente o suprimento de oxigênio para os tecidos, carreado pelo sangue, levando à morte dos mesmos.
A isquemia (falta de sangue) dos órgãos ou membros tem um tempo variável de resistência, mas deve ser tratado o mais rápido possível, traduzindo em melhores resultados terapêuticos. O trauma vascular pode ser causado por acidente de carro ou moto, projétil de arma de fogo e arma branca (faca, vidro, etc). É a segunda causa morte no mundo e a primeira entre a faixa etária até os 40 anos, refletindo com importante conotação sócio-econômica para o país.
O diagnóstico é facilmente realizado pela presença de hemorragia através da área lesada, hematoma que aumenta de volume e pela diminuição da temperatura e palidez do membro afetado, corroborado pela ausência de pulsos distais à lesão.
A conduta a ser tomada após as medidas de suporte e manutenção é a transferência do paciente para uma unidade hospitalar onde tenha cirurgião vascular de plantão, para que se realize a correção da lesão no tempo adequado. Durante este transporte devem-se realizar medidas tais como: compressão do local da ferida e elevação do membro lesado.
A importância da correção efetiva destas lesões favorece a reabilitação precoce destes pacientes. Já as lesões não corrigidas de forma eficaz podem levar a sérias complicações, desde limitações funcionais até a perda do membro.

Trombose venosa profunda

Doença causada pela coagulação do sangue no interior das veias – vasos sanguíneos que levam o sangue de volta ao coração. As veias mais comumente acometidas são as dos membros inferiores (cerca de 90% dos casos). Os sintomas mais comuns são o inchaço e a dor. De acordo com a literatura científica, a doença atinge entre 44 a 145 pessoas a cada 100 mil.
Prevenção: evitar os fatores de risco que são tabagismo, permanecer sentado, deitado (acamado) ou em pé por muito tempo, saber ser tem hipercoagulabilidade genética, realizar cirurgias de grande porte, gravidez, estar com câncer ou em tratamento, ter insuficiência cardíaca, entre outros. Exercícios, medicamentos e uso de meias elásticas podem auxiliar na prevenção.

Pé diabético

A diabetes má controlada causa, ao longo do tempo, alterações no sistema nervoso e a pessoa pode perder a sensibilidade dos pés. Ao ter alguma ferida nos pés, ela não sente e essa ferida também não cicatriza. Uma das características do pé diabético é o ressecamento. Se não tratado pode gerar a amputação do membro.
Prevenção: controlar o diabetes com alimentação e exercícios e fazer constantemente exames de sangue para medir a glicemia, além do exame dos pés diariamente em busca de feridas e machucados, caso diabético.

Aneurisma de aorta

É a dilatação anormal da parede da aorta, maior artéria do corpo e responsável por transportar sangue rico em oxigênio para todo o organismo. Ao se romper pode causar a morte. As estimativas apontam que o problema acomete 5% dos homens e 1% das mulheres acima de 55 anos.
Prevenção: não há prevenção, é preciso verificar seus fatores de risco e realizar exames de diagnóstico, pois a doença é assintomática. Entre os fatores de risco estão: idade superior a 65 anos, tabagismo, hipertensão, aterosclerose (acúmulo de gordura e outras substâncias no vaso) e histórico familiar.

START TYPING AND PRESS ENTER TO SEARCH